PT EN

01 dez 2019

Esquerda de todo o mundo, apoiem os manifestantes no Irã!

Publicada originalmente no Roar (https://roarmag.org/2019/11/25/leftists-worldwide-stand-by-the-protesters-in-iran/) no 25 de novembro de 2019.

Uma declaração assinada por mais de 70 indivíduos e grupos políticos independentes parte da diáspora iraniana no Reino Unido, França e Alemanha expressa seu apoio à revolta popular em curso no Irã e pede à esquerda global que rompa seu silêncio e expresse sua solidariedade com o povo do Irã.


Estamos protestando contra problemas em todo o sistema em geral. Chegamos a uma crise em que percebemos que o sistema não aguenta mais.

Um manifestante no Chile

Nosso mundo está pegando fogo. Não apenas florestas, mas também cidades estão queimando em todo o mundo. Conflitos sociais de todos os tipos estão em erupção, espalhando suas chamas pelo planeta: Argélia, Chile, Equador, Haiti, Hong Kong, Iraque, Líbano, Sudão, etc. Localizada neste contexto global de lutas contra o inferno social do capitalismo neoliberal e financeiro, houve outra revolta em massa no Irã desde 15 de novembro de 2019.

Provocados pela repentina triplicação dos preços dos combustíveis, dezenas de milhares de iranianos protestaram em mais de 100 cidades em todo o país. Obviamente, o preço do combustível em si não gerou uma revolta tão grande e generalizada. Pelo contrário, são 40 anos vivendo sob as regras da oligarquia privilegiada com base no autoritarismo, exclusão sistemática de oponentes, desapropriação e expropriação que tornaram milhões de pessoas desempregadas, extremamente precárias, privando-as das condições básicas da vida (educação, saúde, alimentação e habitação).

Assim como o aumento de 30 pesos na tarifa do metrô transformou o fogo já furioso em um inferno no Chile, o preço do combustível provocou a recente revolta no Irã (o mesmo vale para o imposto do WhatsApp no ​​Líbano, o cancelamento dos subsídios ao combustível no Equador etc). “Não se trata de 30 pesos”, proclamava um cartaz chileno, “mas de 30 anos de neoliberalismo”.

Desde sexta-feira, o povo iraniano luta corajosamente contra o pessoal fortemente armado do Corpo de Guardas Revolucionários Islâmicos (IRGC) do regime, bem como os milicianos armados e à paisana (conhecidos como Basij) que são economicamente dependentes do regime. As pessoas tem todo o “direito” do mundo de se defender contra a violência sistemática do Estado, construir barricadas nas ruas, bloquear rodovias e ocupar áreas locais e rotatórias.

Os esquecidos e os invisíveis no Irã se tornaram visíveis iniciando incêndios. O fogo para essas pessoas é o colete amarelo para os proletários e a população excedente francesa. Ambos dão voz aos sem voz. Enquanto a TV persa da BBC e a mídia legalista reacionária (Iran International, Manoto etc.) prescrevem a doutrina liberal de “protesto civil e pacífico”, os jovens iranianos se preocupam com o fato de que “um povo sem ódio não pode triunfar”, que “a força material precisa ser derrubada por força material” e que eles têm o direito de se defender legitimamente contra a violência estatal sistematicamente destinada a matar os cidadãos.

“Basta!” é a mensagem das pessoas no Sul Global e além. Como os estudantes cantaram em uma das universidades de Teerã, “o povo está farto da escravidão”. Como nossas irmãs e irmãos no Iraque e no Líbano, o povo iraniano está farto do capitalismo autoritário, reduzindo suas vidas a uma mera existência vegetativa, da corrupção sistemática intrínseca ao capitalismo de máfia e do subimperialismo da República Islâmica no Iraque, Líbano, Palestina, Síria, Iêmen e na região como um todo.

Eles não estão apenas se opondo à triplicação do preço do combustível, mas à República Islâmica na sua totalidade. Nenhum outro slogan, cantado por nossos camaradas no Líbano, pode expressar melhor o espírito de luta na conjuntura atual: “Tudo significa tudo.” (كلن يعني كلن).

A classe dominante respondeu a essa negação radical e prática de todos os poderes existentes com um punho de ferro. A violência sistemática empregada pela República Islâmica para paralisar o levante é sem precedentes em escala e intensidade. As autoridades fecharam completamente a Internet por quatro dias consecutivos, transformando o país em uma grande caixa preta, massacrando as pessoas com impunidade. Segundo a Anistia Internacional, centenas foram feridas, milhares foram presas e “pelo menos 106 manifestantes em 21 cidades foram mortxs”, embora “o número real de mortes possa ser muito maior, com alguns relatórios sugerindo até 200”.

#liberdadeParaOsManifestantes
Mais de 450 manifestantes foram mortos nos protestos no Irã desde 15/11, 10.000 foram presos e encaram tortura e execução iminentes.

Existem muitos vídeos mostrando a polícia atirando em manifestantes na cabeça e no peito – como observamos anteriormente no caso do Iraque. Isso aconteceu principalmente nas províncias curdas e árabes, cujas pessoas discriminadas estão mais uma vez na vanguarda do levante e pagaram o preço mais alto.

A República Islâmica tem sido bem-sucedida até agora em alcançar seus objetivos. Eles aproveitaram a oportunidade oferecida pelas sanções dos EUA para realizar seus sonhos neoliberais, a fim de poder recuperar o déficit orçamentário atual e aumentar suas operações militares na região. Para fazer isso, eles fecharam a Internet em virtude da qual massacraram brutalmente seus oponentes. Em termos internacionais, não houve cobertura específica da mídia, condenação internacional da repressão estatal e muito pouca solidariedade da esquerda global – em outras palavras, o banho de sangue é realizado em silêncio. Isso é possível porque, embora as classes oprimidas no Irã e no Oriente Médio não tenham ilusão sobre o papel “antiimperialista” da República Islâmica, muitos da esquerda ainda acreditam na auto-representação ideológica do regime como um anti- força imperialista contra os EUA e seus aliados regionais.

A esquerda precisa aprender com as classes oprimidas a se opor simultaneamente ao imperialismo dos EUA (especialmente as sanções dos EUA) e às intervenções da República Islâmica na região.

Nós, acadêmicos e militantes abaixo assinados, exortamos a esquerda global a quebrar seu silêncio e expressar sua solidariedade com o povo do Irã e sua resistência.

Não faz sentido exigir nada da República Islâmica, mas exigiremos de nossos camaradas e forças progressistas em todo o mundo que ecoe – de qualquer forma possível – a voz do povo oprimido no Irã sufocada pelo isolamento forçado. Também pedimos à esquerda internacional que condene as atrocidades do regime contra seu próprio povo.

Finalmente, somos solidários com os manifestantes iranianos que estão reivindicando sua dignidade ao recusar austeridade, autoritarismo, militarização da sociedade, bem como qualquer outra forma de dominação que sufoque sua autonomia e liberdade.

Clique aqui para ver a lista de assinaturas

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Seu e-mail não será divulgado

keyboard_arrow_up