Bem-vindo a Linha de frente: Para além da violência e da não-violência.

Essa é uma tradução feita por militantes de um artigo do coletivo anticapitalista chinês Chuang de 08/06/2020, o original pode ser lido aqui.

Nas últimas duas semanas, os Estados Unidos viram alguns dos maiores e mais radicalizados protestos e motins em décadas. O movimento agora nacional começou em Minneapolis após o assassinato de George Floyd pela polícia. A raiva que se seguiu levou a manifestações em massa, confrontos com a polícia, incêndios e saques, luto e rebelião que se espalharam por todo o país em questão de horas. A delegacia do Terceiro Distrito de Minneapolis, onde os assassinos trabalhavam, foi totalmente incendiada, e carros da polícia foram incendiados de Nova York a Los Angeles no ataque mais amplo aos edifícios punitivos do Estado nos EUA neste século, alimentados por décadas de raiva contra o policiamento racista e o fluxo incessante de assassinatos de negros pela polícia.

Agora, até a esquerda eleitoral mais reformista está discutindo seriamente uma versão suavizada de abolição da polícia no nível nacional, re-imaginada como “desfinanciamento”, e o Conselho Municipal de Minneapolis prometeu “dissolver” o departamento de polícia da cidade. Não há muito tempo atrás, tal demanda teria sido considerada utópica.

À medida que o movimento contra a brutalidade policial e a própria instituição da polícia se desdobra rapidamente nos Estados Unidos, já vimos nele as marcas de outros distúrbios e lutas de massa que surgiram em todo o mundo no ano passado, do Chile à França, Líbano, Iraque, Equador e Catalunha, para citar apenas alguns. Aqui, qualquer análise ampla da rebelião nos Estados Unidos seria prematura, já que os fogos dos motins ainda estão literalmente queimando em cidades de todo o país. Em vez disso, gostaríamos de oferecer algumas breves observações sobre as lutas em Hong Kong, que fizemos o nosso melhor para acompanhar de perto, concentrando-nos em uma inovação tática em particular que achamos que pode ser uma contribuição útil para os protestos em andamento nos Estados Unidos e além. Já vimos pessoas nas ruas adotando lições dispersas de Hong Kong e outros pontos críticos do ciclo global de rebeliões do ano passado: uma barricada de carrinhos do Hipermercado Target no estilo de Hong Kong do lado de fora do prédio do terceiro distrito em Minneapolis, técnicas para extinguir gás lacrimogêneo em Portland, relatos de lasers ofuscando câmeras policiais e visores em várias cidades, guarda-chuvas erguidos contra spray de pimenta em protestos em Columbus e Seattle, e pixos saudando Hong Kong em vitrines fechadas com tábuas ou saqueadas em várias cidades. As semelhanças eram tão marcantes, de fato, que levaram o editor-chefe paranóico do tablóide da mídia estatal chinesa The Global Times, Hu Xijin, a concluir que “rebeldes de Hong Kong se infiltraram nos Estados Unidos” e “arquitetaram” os ataques.

Pouco podemos fazer para orientar a maneira como este movimento se desenrola (nem gostaríamos), mas esperamos que algumas das ferramentas e táticas empregadas por nossos amigos e camaradas em Hong Kong possam ser úteis para aqueles que estão nas ruas de outras cidades. [1] Em particular, oferecemos para sua reflexão a evolução do papel da “linha de frente” no movimento de Hong Kong, na esperança de que possa ser útil para preencher as lacunas entre militantes e participantes pacíficos nas ruas em outros lugares.

Como em movimentos anteriores, já houve divergências significativas sobre como lidar com as forças do Estado nos EUA. Como com outros movimentos desde Ferguson e antes, algumas (mas não todas) organizações de ativistas formais começaram a se envolver com a ala “moderada” do aparato repressivo local, entrando em ação para acabar com a militância da revolta inicial: “Líderes comunitários” colaboram com a polícia, levando multidões para emboscadas e caldeirões de Hamburgo, e apontando literalmente os manifestantes “violentos” na multidão. Enquanto isso, os governos locais em todo o país afirmam que aqueles que estão iniciando a destruição de propriedades ou lutando contra a polícia são “agitadores externos”, como o prefeito de Seattle enviando um tuíte que “muita da violência e destruição, tanto aqui como em todo o país, tem sido instigada e perpetuada por homens brancos”. Mas é evidente que a fúria reprimida contra a polícia se tornou extremamente generalizada, e nas ruas surgiu um amplo consenso de que ela deve ser combatida.

Hong Kong pode oferecer um caminho que escapa à aparente inevitabilidade dos conflitos sobre violência, não violência e como lidar com as forças do Estado. Para aqueles que buscam uma nova maneira de preencher as lacunas entre as formas de manifestação radical e pacífica, pensamos que uma das contribuições mais importantes da cidade para a nova era de lutas tem sido o desenvolvimento de papéis e formações particulares a serem implantadas nas ruas, bem como as estruturas por trás delas que ajudaram a vincular melhor aqueles dispostos a lutar contra os policiais com outros no movimento. Em particular, queremos destacar o conceito dos “linha de frente” (“frontliners”) de Hong Kong, que não apenas desenvolveram muitas técnicas de sucesso para enfrentar a polícia, mas também estabeleceram um novo tipo de relação entre os manifestantes combativos e os não violentos das ações de rua através de muitos meses de experimentação.

O que significa estar “na linha de frente?” O termo se tornou incrivelmente popular nos últimos meses em vários idiomas e domínios sociais, usado especialmente para profissionais da saúde e outros particularmente vulneráveis ​​à pandemia em andamento. Isto obscureceu o sentido que popularizou o termo na cobertura da grande mídia no ano passado, que se referia a manifestantes em várias partes do mundo. As adulações oficiais para os trabalhadores que estão saindo do turno em Wuhan e Nova York nos soam como estranhos ecos orquestrados pela estado do grito “¡vivan lxs de la primera línea!” que saudou os manifestantes que voltaram de batalhas com a polícia no Chile no outono passado. O que permitiu os usos versáteis e aparentemente opostos desse termo foi justamente sua capacidade de integrar atividades de outra forma divididas de forma efetiva, propondo uma unidade definida não pela homogeneidade, mas pelo apoio à luta global, simbolizada por aqueles na “linha de frente”. Agora, com o retorno dos motins nos Estados Unidos, parece possível que o uso do termo possa voltar-se novamente para aqueles que enfrentam a polícia: Em Connecticut, uma fila de manifestantes vestidos de preto enfrenta a polícia usando máscaras que devem ter sido primeiro destinadas a prevenir a propagação do vírus e, em uma foto do momento, uma mulher segura uma placa que diz: “os únicos aliados são os que estão na linha de frente”.

Via Chen Ronghui

A ideia básica que permite ao conceito de linha de frente integrar o movimento além da antiga divisão entre violência e não-violência, ou “diversidade de táticas”, é m) equipamentos de proteção distintos, e que esses riscos ajudam a impulsionar todo o movimento. É também por isso que o conceito se estendeu tão facilmente à resposta à pandemia, porque a lógica básica do risco pessoal em apoio à luta é mais ou menos idêntica. Mas, nesse caso, o Estado tinha um claro interesse em mobilizar o termo para cooptar respostas populares ou disfarçar sua própria incompetência, tudo com o objetivo final ainda sendo a supressão da pandemia. Agora, no entanto, o Estado não tem esse interesse, uma vez que não compartilha o mesmo objetivo dos manifestantes que invocam o conceito de linha de frente. Em vez disso, apresentará “líderes comunitários” e talvez até mesmo os retrate como tendo estado “na linha de frente” do movimento de alguma forma, mas não há necessidade nem mesmo de fingir apoiar aqueles que realmente estão em conflito com a polícia. Isso significa que o termo tem a capacidade de retornar ao significado que ganhou em Hong Kong, definido pelos riscos assumidos em defesa de todos ou o ato de colocar a própria vida em risco para manter todos os outros seguros e, simultaneamente, levar a luta adiante.

No decurso da escalada dos confrontos de rua ao longo de 2019, os manifestantes de Hong Kong produziram inovações rápidas, incluindo a invenção de novos equipamentos e formações distintas com posições táticas específicas a serem preenchidas dentro do corpo do protesto. O frontliner surgiu neste contexto como um papel reconhecível para aqueles que, com estratégias de mitigação de gás lacrimogêneo e blindagem, se posicionaram diretamente contra a polícia, apoiados por camaradas de segunda e terceira linhas.

Tradução de slogans entre protestos de Hong Kong e chilenos: “Não podemos voltar ao normal, porque a normalidade era o problema”.

Essa inovação tática se espalhou rapidamente, primeiro para o Chile e depois para outros contextos latino-americanos. O primeiro salto de Hong Kong para o Chile foi provavelmente por um vídeo de motim (“riot porn”) carregado no YouTube ou simplesmente transmitido pelo ar inebriante do ciclo de revolta de 2019 . Um participante de um “clã” chileno da linha de frente deixa claro que as táticas que seu grupo usa foram adotadas em Hong Kong. Logo, outros manifestantes locais estavam preparando táticas notavelmente semelhantes, incluindo escudos, slogans, construção inventiva de barricadas e a adaptação generalizada de ponteiros laser de alta potência como ferramentas para interromper a visão e as câmeras policiais (bem como, em um caso memorável , a destruição de um drone policial). Além dessas adaptações específicas, a estrutura do movimento chileno também foi organizada ao longo de linhas reconhecíveis: Após um período de manifestações contra o aumento dos preços do transporte público, incluindo catracaços e grandes marchas organizadas, uma repressão policial desencadeou manifestações massivas e motins chamados no Chile de “explosão social”. Em vídeo de um protesto na Plaza Italia, Santiago, Chile, um homem em um prédio com vista para a praça comenta com entusiasmo que a manifestação “só é possível por causa de um grupo de crianças”, que se organizou “para deter as forças repressivas”.

No período seguinte, com a declaração do estado de emergência em cidades de todo o país, o espaço para manifestações pacíficas foi defendido por uma linha de frente de manifestantes dispostos a lutar contra a polícia. Como em Hong Kong, esses frontliners foram organizados principalmente por funções: portadores de escudos, atiradores de pedras, médicos, “mineiros” (produzindo projéteis), manifestantes na linha de trás com lasers para interromper a visão policial ou câmeras e barricadas para bloquear avanços. Ao contrário dos desenvolvimentos posteriores na estratégia “ser água” de Hong Kong, que enfatizava o desgaste da polícia por meio de movimentos constantes, o movimento chileno começou com a linha de frente estabelecendo e defendendo linhas específicas em torno da “zona zero” ou “zona vermelha” para impedir os policiais de entrar nas áreas onde outros manifestantes estavam reunidos. Com o aumento da repressão, no entanto, os confrontos diários tornaram-se essencialmente batalhas de rua entre a linha de frente organizada e a polícia. Ainda assim, no entanto, a importância da linha de frente como uma ferramenta para tornar o protesto possível foi amplamente reconhecida por quem está dentro e fora do movimento, com “representantes da linha de frente” sendo aplaudidos intensamente quando convidados a participar de talk shows. Como em Hong Kong, os frontliners que formaram grupos autônomos para defender o movimento foram apoiados por participantes externos, tanto anonimamente quanto como grupos, como alguns meios de comunicação de direita reclamaram. [2]

Táticas semelhantes também foram adotadas na Colômbia, via Chile e Hong Kong, à medida que grupos se organizando no Facebook reconheceram que havia a necessidade de proteger os manifestantes do movimento estudantil da violência policial. No entanto, os primeiros membros dos grupos da linha de frente mais proeminentes declararam que agiriam de formas puramente “defensivas” em vez de atacar a polícia diretamente. No entanto, conforme o movimento popular mais amplo se extinguiu, as opiniões sobre esses grupos (caracterizados por seus escudos azuis favoráveis ​​à mídia) começaram a mudar. Os frontliners adotaram conscientemente a estratégia “ser água” de Hong Kong, mas isso foi percebido por muitos dos movimentos estudantis como um abandono físico do movimento estudantil, que não tinha feito as mesmas escolhas táticas. De forma mais ampla, a linha de frente nos protestos estudantis colombianos foi considerada oportunista, tentando fazer um espetáculo amigável à mídia e tentando conduzir marchas para longe das rotas acordadas. No final das contas, esse tipo de “linha de frente” altamente inorgânica se alienou do apoio que primeiro recebeu do resto do movimento.

Amor pela linha de frente no graffiti de protesto chileno

Em todos esses contextos diferentes, o desenvolvimento do papel do frontliner marcou um avanço significativo nas táticas de confronto de rua com a polícia. Essas táticas devem, é claro, mudar para se adequar a situações particulares, mas podemos aprender com o conhecimento global cada vez maior da luta. Na década seguinte ao declínio do movimento alter-globalização, a discussão sobre táticas para combater a polícia em grande parte congelou em debates sobre o “black bloc”. Originado na Alemanha dos anos 1980, o black bloc se refere à tática de usar trajes de protesto totalmente pretos, que impedem a polícia de escolher qualquer indivíduo em uma multidão. Em parte devido ao seu sucesso prático, as ações de black bloc nos Estados Unidos e em grande parte da Europa têm sido objeto de debates intermináveis ​​que, em última análise, se resumem ao papel que a ação militante deve desempenhar nos protestos de rua. Nos Estados Unidos, o resultado final foi uma détente em que os manifestantes que apoiavam os combativos e aqueles que só podiam apoiar a ação não-confrontacional chegaram ao ponto de dividir áreas das cidades para evitar a interação entre os grupos. Afirmações de que o black bloc protege manifestantes não violentos (seja diretamente ou atraindo a repressão e recursos da polícia para outros lugares) têm sido pontos comuns de discórdia, mas nunca chegaram a um consenso. Na melhor das hipóteses, há uma defesa de uma “diversidade de táticas”, talvez a melhor frase para descrever essa frágil détente.

Logo no início de tais movimentos, a diversidade de táticas permite uma tênue coexistência de protestos combativos e pacíficos, uma vez que são muitos participantes e múltiplas marchas, permitindo que as pessoas vão aos locais onde prevalece sua tática preferida. O termo efetivamente imagina esferas inteiramente diferentes nas quais “diversas táticas” podem ocorrer. Mas nem sempre é esse o caso. À medida que a repressão do estado aumenta e o momentum inicial diminui, as duas esferas são forçadas a se fundir. É precisamente neste ponto que táticas mais agressivas são necessárias para defender o movimento como um todo contra a polícia e para continuar a empurrar as coisas para a frente enquanto a energia dos participantes diminui. Por um lado, é quando a função repressiva do estado é ativada, já que a polícia local é reabastecida e recebe apoio de níveis superiores de governo. No entanto, por outro lado, este é também o momento em que o Estado mobiliza seu aparato de controle brando na forma de líderes comunitários, organizações sem fins lucrativos e políticos “progressistas”, todos os quais desempenham um papel essencial no rompimento da tênue aliança tática que existia nos primeiros dias. Afinal, essas são as pessoas mais bem-sucedidas em difundir o mito do “agitador externo”, ridicularizando a destruição “anarquista branca” de propriedades e, muitas vezes, literalmente intervindo para evitar ataques à polícia ou mesmo provocando detenções de outros manifestantes, encorajando as pessoas a delatarem por meio de vídeos mostrando quem jogou garrafas na linha da polícia e inundar as redes sociais com postagens afirmando que policiais ou mesmo nacionalistas brancos foram os que quebraram as primeiras janelas. 

Nos protestos de 2019 em Hong Kong e no Chile, porém, de maneiras e velocidades diferentes, a afirmação de que o bloco protege os outros transformou-se em um saber claro e inegável. Isso foi possível em parte por meio do apagamento de quaisquer significados anteriores atribuídas ao protesto do black bloc e sua substituição com o papel de frontliner: aquele manifestante que, ao se sujeitar a grave perigo e gás lacrimogêneo, não estava agindo com outra intenção senão a defesa de todos os outros no protesto da polícia. Isso representa uma mudança: não há mais uma grande separação geográfica em dois corpos de manifestantes (uma zona de protesto pacífico e outro de confronto), mas em vez disso, um único corpo se uniu, protegido na linha de frente por aqueles que assumiram o papel de estar lá. Em um sentido ainda mais amplo, e talvez ainda mais importante, os protestos em Hong Kong e no Chile reconfiguraram totalmente o papel dos manifestantes vestidos de preto, mascarados e militantes dispostos a lutar contra a polícia. Ao contrário da situação nos Estados Unidos, onde muitas vezes é possível que a mídia e a polícia colaborem no isolamento de militantes, retratando-os como separados do corpo principal de “bons manifestantes” e ainda mais distantes do corpo político em geral, os frontliners também chegaram a ser amplamente (se não completamente) entendidos como agindo em defesa de todos os outros, tanto manifestantes quanto não manifestantes, tornando possível resistir a um status quo insustentável.

A construção de uma solidariedade efetiva entre “bravos militantes” (勇武) e adeptos da “não violência pacífica e racional” (和 理 非) não foi o resultado automático do movimento ascendente em 2019 em Hong Kong, nem aconteceu da noite para o dia. Como é o caso nos Estados Unidos, movimentos anteriores em Hong Kong estavam divididos entre linhas ideológicas de combatividade e não violência, bem como entre os que estavam nas ruas e a “oposição controlada” dos partidos pan-democratas no Conselho Legislativo (LegCo). [3] Devemos lembrar que os protestos de 2019 vieram depois de anos de experimentação, incluindo o surgimento e fracasso do Movimento Umbrella de 2014: um protesto igualmente massivo e amplamente “pacífico” que passou em todos os pontos defendidos pelos defensores liberais da não violência.

Quando esse movimento foi derrotado de forma tão decisiva, a juventude de Hong Kong começou a mobilizar de novas formas – a princípio em ações de rua de escala muito menor, como as estranhas e ainda polêmicas “Rebeliões das Bolas de Peixe” de 2016. Nessas ações, vimos algo como a linha de frente separada de sua base em uma manifestação de massa. Os jovens ainda se recuperando do fracasso abjeto da “paz, amor e não violência” de 2014, em vez disso, entraram em confronto direto, declarando guerra aos policiais, empilhando e jogando tijolos e, em seguida, pilotando a estratégia “seja água” de se recusar a segurar um espaço. Ao mesmo tempo, eles não esperaram pela companhia de outros manifestantes e não fizeram nenhum esforço para recrutar. O resultado foi que as linhas de frente nas Rebeliões das Bolas de Peixe, como eram, não tinham nenhuma das conotações de defesa dos outros que têm agora. Este caso de tumulto ainda é controverso entre os moradores de Hong Kong dentro do movimento de protesto porque seu caráter isolado o transformou em uma espécie de aventureirismo arriscado (para não mencionar o papel desempenhado por localistas de extrema direita nos distúrbios). Agora, no entanto, vemos táticas muito semelhantes reimplantadas e polidas, mas em um contexto totalmente diferente. É como se as táticas testadas nas ações (relativamente) pacíficas de 2014 e nos confrontos (relativamente) violentos com a polícia de 2016 fossem finalmente forçadas a se combinar em uma síntese eficaz.

As raízes desta síntese podem ser melhor vistas perto do final do Movimento Umbrella, que tomou forma por meio de interações às vezes conflitantes entre organizações formais e dezenas de milhares de participantes autônomos. Durante as ocupações de Central e, posteriormente, de Mong Kok, alguns elementos do movimento foram organizados centralmente, com ocupações focadas em torno de um “grande palco” (大 台) que era essencialmente controlado por grandes organizações políticas, particularmente os dois grupos estudantis: os HK Federação de Sindicatos de Estudantes e Escolarismo (um grupo fundado por estudantes do ensino médio), bem como os principais partidos eleitorais do campo pan-democrata e uma série de ativistas de ONGs estabelecidas. Embora essas ocupações nunca pudessem ter começado – muito menos se sustentado – sem uma grande quantidade de trabalho autônomo e ação, organizações formais tentaram manter algum controle sobre a forma do movimento e, em alguns casos, tentaram cancelar ações específicas, algumas das quais continuaram mesmo sem seu apoio. Ainda assim, aqueles em posições de liderança foram os grupos que finalmente entraram em negociações com o governo. Como em muitos contextos ocidentais, essas organizações eram amplamente orientadas para a chamada “não violência racional”. No entanto, as tensões entre os radicais e aqueles que controlavam o palco aumentaram ao longo do movimento, atingindo um pico após um ataque de manifestantes ao edifício LegCo, após o qual manifestantes não violentos e organizadores rotularam todos os combativos como agentes secretos de Pequim ou “destruidores. ” Por outro lado, alguns manifestantes começaram a circular palavras de ordem pedindo que o palco principal (e o centro de poder que representava) fosse desmontado (拆大台), e que os piquetes que haviam tentado deter os ataques ao LegCo fossem desmantelados (散纠察).

Na esteira do fracasso do Movimento Umbrella e da eliminação das ocupações, o primeiro período do Movimento Anti-Extradição de 2019 – aproximadamente desde a proposta de lei em março de 2019 até a marcha de dois milhões de pessoas em 16 de junho – ainda tinha a não violência racional como tática dominante. No entanto, após a relutância do governo em retirar a lei em face do movimento não violento de massa, e após a repressão policial cada vez mais violenta, um consenso bruto emergiu em torno de alguns princípios básicos: Aprendendo com as falhas do Movimento Umbrella, os novos protestos não deveriam ser organizados em torno de um corpo central e não tentaria ocupar e manter um espaço. Esta forma organizacional foi especificamente entendida em referência aos principais estágios do Movimento Umbrella, com a “descentralização” como slogan e princípio organizacional apresentado em cantonês como “sem um grande palco” (无大台)[4]

Ao mesmo tempo, as experiências de violência da repressão policial criaram um clima de solidariedade entre os manifestantes. Com base em demandas unificadas – primeiro para a retirada do projeto de extradição e, em seguida, para um inquérito sobre a brutalidade policial, o fim da classificação dos manifestantes como vandalos, anistia para detidos e sufrágio universal – os participantes alcançaram um amplo consenso de que o sucesso exigiria uma nível de unidade entre combativos e manifestantes pacíficos: “sem divisões, sem renúncias, sem traições” (不 分化 、 不 割 席 、 不 督 灰) ou, mais positivamente, “cada um lutando à sua maneira, escalamos a montanha juntos” (兄弟 爬山 , 各自 努力) e “os pacíficos e os bravos são indivisíveis, ascendemos e caímos juntos” (和 勇 不分 、 齐 上 齐 落). Pesquisas com participantes do movimento realizadas no local no início de junho mostraram que 38% dos entrevistados acreditavam que “táticas radicais” eram úteis para fazer o estado ouvir as demandas dos manifestantes, mas em setembro, 62% concordaram. Quando questionados se as táticas radicais eram compreensíveis diante da intransigência estatal, quase 70% já concordaram em junho e, em julho, esse percentual havia subido para 90%. Em setembro, apenas 2,5% dos entrevistados afirmaram que o uso de táticas radicais pelos manifestantes não era compreensível. Da mesma votação, em setembro, mais de 90% dos participantes concordaram com a afirmação de que “Unir ações pacíficas e combativas é a maneira mais eficaz de obter resultados”. [5] Um ponto de inflexão semelhante pode estar surgindo nos Estados Unidos, já que quase 80% dos entrevistados em uma pesquisa nacional que questionou se a raiva que levou à atual onda de protestos é “justificada” responderam afirmativamente e 54% afirmaram que a resposta à morte de George Floyd, incluindo o incêndio de um prédio da delegacia de polícia, é justificada.

Em Hong Kong, a natureza descentralizada do movimento, combinada com o senso crescente de um propósito unificado compartilhado entre manifestantes pacíficos e militantes permitiu a formação e reprodução de papéis reconhecíveis nos quais os participantes poderiam apoiar uns aos outros em grupos organizados de forma autônoma, coordenados anonimamente por meio de ferramentas online como Telegram e fóruns como LIHK.org. Essas ferramentas e estruturas organizacionais são dignas de uma investigação separada ou de um guia de protesto de código aberto: o Telegram permite a criação de estruturas extremamente flexíveis, preservando o anonimato, o que permitiu aos manifestantes e apoiadores desenvolverem todo um ecossistema digital que foi crucial para manobrar e enganar a polícia em tempo real. O recurso “Canais” do Telegram permitiu a criação de salas de bate-papo em grande escala, semelhantes ao recurso de comentários no software de transmissão ao vivo que os manifestantes nos EUA estão usando. No entanto, embora esses “mares públicos” (公海) fossem capazes de fornecer algumas informações úteis, eles foram considerados como estando sob vigilância policial devido à sua natureza pública, e a organização sensível foi feita em canais de fuga com amigos de confiança.

Os manifestantes também criaram outros canais especificamente para compartilhar a localização da polícia e rotas de fuga, que eventualmente alcançaram dezenas de milhares de participantes do protesto. Nesses canais, a postagem é restrita a administradores ou bots especialmente designados, que retransmitem informações verificadas sobre a localização e disposição das forças policiais, ajudando a minar o fenômeno do boato descontrolado comum em qualquer protesto. Essas informações são coletadas por meio da colaboração coletiva de indivíduos que trabalham como observadores à margem das marchas de protesto, que enviam atualizações em canais designados de acordo com um formato específico, para que possam ser facilmente padronizadas e repassadas para agregadores de dados que monitoram canais de escuteiros e transmissões ao vivo, publicar atualizações para canais de anúncio e mapas em tempo real de localizações policiais.

Além das funções de relatório, os canais do Telegram criados para ações específicas também permitiram que os participantes transmitissem informações sobre as necessidades (médicos necessários neste cruzamento, ferramentas de mitigação de gás lacrimogêneo necessárias em breve) e tomar decisões coletivas sobre respostas em tempo real por meio de funções de votação. Este último permitiu escolhas rápidas, como a rota de fuga a tomar para evitar um ataque policial. É importante ressaltar que esses métodos organizacionais atraíram tanto militantes quanto aqueles que não estavam dispostos, desinteressados ​​ou (devido ao status de imigração, deficiência ou outra vulnerabilidade potencial à violência policial) incapazes de participar nas linhas de frente: Enquanto os frontliners enfrentavam a polícia e sua escalada de violência, apoiadores não violentos se envolveram em marchas, como médicos ou fornecendo apoio logístico (material de barricada móvel, ferramentas para lidar com gás lacrimogêneo, ou roupas para os frontliners de capa preta se transformarem), como observadores de policiais com câmeras de vídeo, ou como olheiros alimentando informações para outros apoiadores que trabalham como agregadores de dados.

Muitas foram as maneiras que aqueles “fora” da linha de frente forneceram suporte material direto para os frontliners nas ruas: em algumas ações, os manifestantes sem equipamento formariam paredes humanas, às vezes usando guarda-chuvas, para proteger os frontliners enquanto eles tiravam o equipamento que os marcava para ser preso a caminho de casa. Outros, embora não participem diretamente como frontliners, facilitariam os danos à propriedade usando seus guarda-chuvas para esconder aqueles quebrando vitrines da visão das câmeras. Mais tarde no movimento, os manifestantes fora das linhas de frente trariam os componentes individuais para coquetéis molotov em ação, e formaram cadeias humanas fornecendo materiais para a linha de frente para reabastecer rapidamente com garrafas, gasolina, açúcar e trapos.

Além dessas ações específicas de apoio, simplesmente permanecer nas ruas durante as proibições de reuniões públicas acabou sendo entendido como um meio de apoiar o movimento: Um amigo conta a história de um funcionário de escritório mais velho anônimo em uma pausa para fumar que, após ler no Telegram que um grupo de frontliners perto de seu prédio precisava ganhar tempo antes de se envolver com a polícia, caminhou diretamente até a linha policial e tentou começar uma briga com os policiais, pensando que sua identidade como uma pessoa mais velha e bem vestida poderia diminuir suas chances de ser preso e fornecer mais um álibi se o fizesse. No entanto, essa generalização da luta também é vista por alguns como uma das razões pelas quais a polícia acabou adotando a estratégia mais recente de caldeirão e prisão em massa de todos em uma determinada área: Qualquer pessoa nas ruas agora pode ser considerada um participante.

Imagem de papéis de protesto de Hong Kong, traduzida anonimamente e divulgada durante lutas recentes

No início do movimento, no entanto, antes do aumento da repressão policial e prisões no final do verão e outono de 2019, o papel do frontliner era relativamente claro, com opções para os apoiadores permanecerem separados do confronto direto da polícia construindo barricadas, fornecendo suprimentos para a linha de frente enquanto eles extinguiam o gás lacrimogêneo ou escondendo a linha de frente da polícia enquanto trocavam de equipamento. Essa divisão ainda era um tanto problemática, no entanto, já que a aceitação da linha de frente como um segmento central do movimento deu àqueles que realmente lutavam contra a polícia uma posição de “maior mérito” em alguns aspectos, com alguns manifestantes pacíficos sendo acusados ​​de não serem combativos o suficiente. Mas, à medida que a aceitação da ação direta cresceu junto com a violência policial cada vez mais extrema, essas divisões começaram a ruir. Por outro lado, ações que antes eram entendidas como pacíficas passaram a ser associadas a um risco cada vez maior de detecção e prisão.

Por exemplo, a criação e proteção de “paredes de Lennon” de arte de protesto e auto-expressão foi originalmente entendida como um modo de participação completamente “pacífico”, mas como o número de ataques violentos às paredes de Lennon e prisões das pessoas que trabalhavam nelas aumentou, tornou-se difícil continuar participando sem preparação física e mental para a violência. Diante da violência policial e do “terror branco” dos ataques a manifestantes por bandidos pró-Pequim, tornou-se cada vez mais difícil de desenhar qualquer divisão entre aqueles que estavam dispostos a colocar seus corpos em risco e aqueles que estavam comprometidos com o risco mais baixo ou eticamente não violento. Isso foi particularmente verdadeiro porque um número crescente de manifestantes foi preso. Para alguns amigos, a decisão de entrar na linha de frente foi gradual e resultou da erosão gradual das diferenças entre as atividades da linha de frente e outras formas de apoiar o movimento. Outros amigos relataram conversas difíceis que tiveram com seus pais idosos que, vendo as prisões de tantos jovens, resolveram se juntar à linha de frente para preencher a lacuna.

#Minneapolisprotests #HongKongProtests pic.twitter.com/rEXyCasMsN

– Snufkin #MaskUp #RentStrike (@Anon_Snufkin) 29 de maio de 2020

Embora tenhamos focado propositalmente em táticas materiais ao invés de identidade política, deve-se reconhecer que as cinco demandas que ajudaram a fornecer uma base para uma unidade admirável para os manifestantes em Hong Kong também encobriram divisões políticas significativas. Em particular, o fato de o movimento ter uma base tão ampla significava que incluía (e em alguns casos foi impulsionado por) o sentimento localista de direita. Ao contrário dos Coletes Amarelos na França, que tinham uma base ampla semelhante, a escalada de táticas combativas que incluia danos à propriedade não serviu para tirar elementos de direita do movimento. Em vez disso, em Hong Kong a situação foi revertida, e alguns (mas não todos) esquerdistas limitaram sua participação no movimento, sem vontade de entoar palavras de ordem ao lado de nacionalistas que pediam uma revolução para “restaurar” Hong Kong, ou de participar de marchas com aqueles agitando bandeiras dos Estados Unidos ou regimes coloniais britânicos.

Enquanto a estrutura racial da política dos EUA torna a participação da direita no ciclo de rebelião em curso uma quase impossibilidade (apesar dos políticos promoverem mentiras em contrário), a estrutura do movimento de Hong Kong em torno de um conjunto unificador de cinco demandas também é um tanto estranha para o contexto dos EUA. Embora sua própria impossibilidade tenha dado ao movimento espaço para crescer, o uso de demandas mesmo insustentáveis ​​saiu de moda nos Estados Unidos. Após o fracasso dos primeiros protestos anti-guerra em meados dos anos 2000, a ascensão e queda do Occupy alguns anos mais tarde definiu o que se tornaria a norma, de que um excesso de exigências leva à incapacidade geral de “concordar” com alguma coisa. Na primeira onda de protestos Black Lives Matter após o levante em Ferguson em 2014, ocorreu um fenômeno semelhante: as organizações sem fins lucrativos “oficiais” da BLM fizeram demandas concretas por câmeras corporais para policiais e dinheiro para equipamentos militares a serem canalizados para treinamentos anti-racismo e de abordagem menos violenta, mas essas nunca foram as demandas popularmente endossadas pelas ruas. Em vez disso, o movimento se articulou não em torno de uma demanda, mas de uma afirmação: que as vidas negras importam.

É essa afirmação que voltou a ser a força de coerência do levante de hoje. Ao mesmo tempo, isso pode estar mudando um pouco. Mas ainda não há um conjunto coerente de demandas que possa unir os manifestantes pacíficos e combativos que se levantaram após o assassinato de George Floyd. Se tais demandas surgissem, provavelmente seriam básicas e improváveis ​​de serem alcançadas sem “desmontar o grande palco” dos negócios como de costume nos Estados Unidos, bem como as Cinco Demandas de Hong Kong: anistia geral, abolição da polícia ou reparações por séculos de assassinatos sancionados pelo estado e trabalho forçado. Os apelos para “desfinanciar a polícia” parecem ter ganhado destaque agora, depois de serem incorporados por grupos ativistas e políticos progressistas locais. Mas tal demanda está muito aquém do apelo mais popular para abolir a polícia, e permite que os líderes locais afirmem que estão “esvaziando” os departamentos de polícia quando, na verdade, estão apenas realizando cortes orçamentários fracionários. Nesse sentido, “desfinanciar a polícia” parece estar assumindo um caráter semelhante à demanda por câmeras corporais em 2014.

Com ou sem tais demandas, vemos a inovação central do papel do frontliner como estando embutida nas novas relações que se tornam possíveis: entre a “linha de frente” e a segunda linha, a terceira e outros manifestantes de apoio. Uma semelhança entre as experiências dos manifestantes de Hong Kong e as das ruas dos Estados Unidos é que, embora muitos tenham experimentado por muito tempo as funções da repressão policial, esta é para muitos a primeira vez (ou pelo menos um dos momentos mais graves) em que a repressão policial ao protesto pacífico é visível. Em certo sentido, a evolução do papel do frontliner foi realmente forçada a existir pela ação policial. Depois que a repressão ao movimento em Hong Kong passou de um certo ponto, dois fatos se tornaram aparentes: primeiro, a polícia é fundamentalmente violenta, e eles descarregarão essa violência independentemente de seus alvos protestarem pacificamente ou não. Em segundo lugar, tornou-se evidente que, para que o movimento continuasse, os manifestantes teriam que ser capazes de se defender.

Enquanto os reforços da polícia e da Guarda Nacional tentam dispersar os protestos de maneiras incrivelmente violentas nas ruas de quase todas as grandes cidades dos EUA, parece possível que o país veja um ponto de inflexão semelhante em termos da escala e intensidade da repressão. Para aqueles que procuram caminhos a seguir – maneiras de apoiar nossos amigos e camaradas, trabalhar em solidariedade, lamentar os mortos pela polícia e garantir que tal violência sistêmica acabe algum dia – um método de continuar a luta pode ser encontrado reconhecendo que o papel do frontliner é proteger todos os outros. Por isso dizemos: bem-vindos à linha de frente, e também à segunda e terceira linhas, e aos médicos e linhas de suprimentos, todos ocupando espaços, os ilustradores e impressores e distribuidores, os streamers ao vivo e todos tuitando informações de observadores de policiais. Talvez desta vez possamos estar todos juntos nisso.

“Estou feliz por lutar com você” – “Eu também, obrigado, camarada”

Notas

[1] Esta análise é o resultado de muitas conversas com amigos em Hong Kong, Chile e Estados Unidos, entre os quais gostaríamos de destacar Dashu e KW por sua ajuda paciente na verificação de fatos e esclarecimento de informações para este artigo. Eles esperam que suas experiências de HK possam ser úteis para a luta contra a brutalidade policial e a racialização nos Estados Unidos e além.

[2] Como observam camaradas no Chile, as táticas específicas de escudos contra balas de borracha, manifestantes mascarados como defensores de manifestantes pacíficos e barricadas estão presentes no Chile desde os anos 1980, e o mascaramento e a defesa contra a polícia foram particularmente importantes durante a ditadura, para prevenir manifestantes de serem capturados, torturados e mortos. Outras táticas semelhantes às utilizadas em Hong Kong, como o uso de materiais amarrados entre postes de luz para evitar o avanço de viaturas policiais, também estiveram presentes no Chile antes de 2019. Essas táticas históricas e funções pré-existentes, como médicos, suporte e vigilantes da polícia, definitivamente influenciaram as formas como o conceito de linha de frente foi adotado no Chile. Da mesma forma, enquanto o movimento de Hong Kong enfatizou a mobilidade por meio da estratégia “ser água”.

[3] Enquanto o campo pan-democrata apóia a reforma eleitoral em Hong Kong, ele apóia amplamente a política governamental existente – além do Partido Trabalhista e da Liga dos Social-democratas, os únicos dois partidos membros a manter qualquer tipo de agenda de esquerda.

[4] Embora este princípio organizacional tenha desempenhado um papel importante em ajudar o movimento a se tornar mais militante e se sustentar, de acordo com nossos amigos no local, ele também parece ter se tornado um obstáculo para a possibilidade de politização anticapitalista, então não deve ser romantizado : “Embora soe horizontal ou anarquista, na prática não está relacionado a nada como discussões democráticas entre os participantes, mas mais ideologicamente associado aos localistas que se opunham ao grupo pan-democrata que estava no poder e controlava o palco. Por fim, o termo se espalhou entre a massa mais ampla de participantes, que temia que o conflito entre essas facções políticas minasse o movimento, e surgiu um consenso de que ninguém deveria tomar o poder. […] Mas não envolve, e até mesmo previne ativamente,Remoldando Hong Kong . ”)
[5] Estas estatísticas são todas do relatório de investigação local “Protesto anti-ELAB” (“反 逃犯 条例 修订 示威” 现场 调查 报告)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *