Uma saudação para a heróica Rebelião de Attica

“Nós somos homens! Não somos bestas e não pretendemos ser conduzidos ou espancados como tais! ”

– Elliot LD Barkley, um líder da Rebelião Ática de 21 anos que foi assassinado pelo estado. Ele foi colocado em Ática por uma violação de liberdade condicional menor e estava programado para ser libertado cerca de uma semana após o início da rebelião.

Em 9 de setembro de 1971, aproximadamente 1.500 presos no Bloco D da Cela tomaram o Estabelecimento Correcional da Ática no norte do estado de Nova York, após apresentar um manifesto de 27 pontos à administração penitenciária, numa tentativa de resolver as condições torturadoras dentro da prisão.

Na época da revolta, 2.300 prisioneiros foram presos em uma prisão construída para apenas 1.600 pessoas. A supremacia branca atrás dos muros era evidente em todos os lugares, desde como os prisioneiros eram alojados até as tarefas brutais de trabalho.

Aos prisioneiros era permitido um banho por semana e um rolo de papel higiênico por mês. Eles trabalhavam cinco horas por dia e eram pagos entre 20 centavos e 1 dólar por todo o dia. Durante 14 a 16 horas, eles eram trancados em minúsculas celas de 1,80 m por 1,80 m.

Um espectro revolucionário

É fundamental compreender o contexto histórico mais amplo em que essa rebelião ocorreu. Como pessoas tão abatidas, cujas vidas estavam penduradas na balança pelo capricho de um guarda, poderiam realizar uma ação tão corajosa?

Fora das prisões e também dentro de muitas prisões, travava-se uma batalha pela libertação nacional dos negros, porto-riquenhos, indígenas e chicanx. Um novo clima revolucionário estava varrendo o país para acabar com todos os tipos de opressão.

Milhões de pessoas protestavam contra a Guerra do Vietnã. O movimento de libertação das mulheres estava começando a florescer. Apenas dois anos depois, ocorreu a ocupação de Wounded Knee pelo American Indian Movement (AIM).

A Comissão McKay (Comissão Especial sobre Ática do Estado de Nova York) comentou mais tarde: “Com exceção dos massacres indígenas no final do século XIX, o ataque da Polícia Estadual que pôs fim à revolta de quatro dias na prisão foi o encontro mais sangrento de um dia entre americanos desde a Guerra Civil”.

Organizando-se por trás das grades

Uma organização séria estava acontecendo dentro da Ática antes da rebelião. Muitos dos grupos fora da prisão foram refletidos dentro, incluindo o Partido dos Panteras Negras, os Jovens Lordes, a Nação do Islã e os Cinco Por Cento. Muitos mantinham grupos de estudos dentro das prisões. A Attica Liberation Faction se desenvolveu neste período.

Em julho de 1971, a Attica Liberation Faction apresentou uma lista de 27 demandas ao Comissário de Correções Russell Oswald e ao governador Nelson Rockefeller. Esta lista de demandas foi baseada no Manifesto dos Prisioneiros de Folsom, elaborado pelo prisioneiro da Chicanx, Martin Sousa, em apoio à greve de prisioneiros de novembro de 1970 na Califórnia.

Então, em 21 de agosto de 1971, o líder dos Panteras Negras George Jackson foi morto a tiros por guardas racistas na prisão de San Quentin na Califórnia. Prisioneiros de todo o país, incluindo várias centenas na Ática, fizeram greve de fome. O assassinato de George Jackson se tornou a cola que permitiu aos prisioneiros da Ática se unirem entre religiões, nacionalidades e facções políticas.

A Comuna de Paris dos prisioneiros

Em 9 de setembro, os prisioneiros da Ática tomaram as instalações. Eles fizeram reféns oficiais penitenciários para garantir que seu protesto fosse ouvido, uma vez que não haviam recebido resposta ao seu manifesto do comissário penitenciário ou do governador.

Embora os eventos que ocorreram em 9 de setembro tenham sido espontâneos e tenham começado por um confronto entre guardas e prisioneiros, o nível de organização imposto por lideranças revolucionárias fizeram dos eventos espontâneos uma revolta em grande escala, graças também a formação política que se deu pré-rebelião.

Mesmo sob condições tão adversas, o alto grau de organização e disciplina dos milhares de prisioneiros que participaram é notável. Eles elegeram um comitê central, que alternou presidentes; eles organizaram um comitê de observadores de 33 pessoas, que incluía não apenas o advogado William Kunstler, o Pantera Negra Bobby Seale, o membro da Assembleia do Estado de Nova York Arthur O. Eve e representantes dos Young Lords, mas também Tom Soto do Comitê de Solidariedade aos Prisioneiros.

As demandas estavam sendo desenvolvidas continuamente. Uma das principais era a anistia para todos os prisioneiros.

Inúmeras fotos mostram as fileiras de tendas, valas preparatórias e muitas das outras medidas que os presos organizaram. Eles votaram em demandas e racionaram comida e água para sobreviver. Durante toda a ocupação, os 40 reféns foram tratados com humanidade.

As demandas concretas que se desenvolveram durante a insurreição incluíram todos os aspectos da sobrevivência na prisão, incluindo saúde, alimentação, fim do confinamento solitário, o direito de visitação e uma lista de direitos trabalhistas, incluindo o direito a organização sindical e o fim da exploração.

A primeira vez que a classe trabalhadora tomou o poder em suas próprias mãos foi a insurreição conhecida como Comuna de Paris de 1871. Os comunas cancelaram os aluguéis, reconheceram os direitos das mulheres, aboliram o trabalho infantil, assumiram locais de trabalho e estabeleceram sua própria forma de governo.

A comuna serviu de exemplo histórico para muitos socialistas revolucionários do poder da organização da classe trabalhadora. No fim, foi afogada em sangue, mas as lições permanecem.

Um século depois, em 13 de setembro de 1971, o governador Rockefeller ordenou o ataque à prisão de Ática. Com helicópteros, cerca de 1.000 soldados estaduais, tropas da guarda nacional e guardas prisionais atiraram no pátio, matando 39 pessoas e ferindo 85 no que só pode ser descrito como um massacre. E isso aconteceu em apenas 15 minutos.

Muitos dos feridos não receberam atendimento médico. Os prisioneiros não tinham armas ou balas para se defender.

A imprensa gritou que os 10 guardas cativos que morreram tiveram suas gargantas cortadas. Mas as autópsias mostraram que todos os 10 foram mortos a tiros pelas tropas de choque de Rockefeller.

O que aconteceu logo após o massacre é doloroso demais para ser totalmente descrito. Os prisioneiros foram despidos, espancados, obrigados a correr através de manoplas dos guardas e brutalmente torturados. Os guardas invadiram o pátio gritando “white power”.

Um grito de batalha pela libertação

No entanto, a revolta da Ática e o massacre agitaram os prisioneiros em todos os lugares. Estima-se que 200.000 prisioneiros protestaram e realizaram greves em seu rescaldo. O número de rebeliões prisionais dobrou.

Continua a servir como um farol hoje para aqueles que lutam contra o racismo e o encarceramento em massa e para os direitos dos trabalhadores em todos os lugares.

Textro traduzido do site ‘Struggle – La Lucha‘ 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *